Foto:
21/03/2020 17:00
Alumínio do primeiro A380 a voar regular se transforma em etiquetas da bagagem
Material da fuselagem do primeiro A380 (MSN003) entregue no mundo foi reciclado e transformado em etiquetas de bagagem. O primeiro lote acabou em menos de 48 horas e se tornou um souvenir para aficionados da aviação.

 

Tag do primeiro A380, Empresa lança edição especial de tags produzidas com parte da fuselagem do Super Jumbo

O A380 9V-SKA, foi totalmente desmontado em janeiro de 2020, com cerca de 560 toneladas em materiais reciclados ou reutilizados. Parte deste material foi transformados em etiquetas de bagagem em suas capas de alumínio pela Aviation Tag, empresa especializada em transformar partes da fuselagem de diversos tipos de aeronaves em souvenir. Cada etiqueta detalha qual foi o modelo da aeronave, ano do primeiro e último voo comercial, sua última matrícula comercial e o número da edição. O preço médio de cada etiqueta derivada da fuselagem do A380 é de €27,95.

A aeronave entrou em serviço pela a Singapore Airlines em 25 de outubro de 2007, se tornando o primeiro A380 a operar comercialmente no mundo. O primeiro voo ocorreu na rota Singapura-Sidney. Na ocasião, o avião que prometia elevar a capacidade da aviação regular e o nível de conforto teve seus bilhetes vendidos em forma de leilão pela companhia de Singapura. Os preços recordes chegaram a incrível marca de US$ 100.000 pago por um passageiro que adquiriu um assento de primeira classe no voo inaugural.

A aeronave com o registro 9V-SKA, operou na Singapore por uma década, sendo aposentado em 2017 após fazer o seu último pouso no aeroporto de Tarbes, na França. O avião também se tornou o primeiro Airbus A380 a ser aposentado e desmontado.

Apesar do A380 ser um sucesso para os viajantes frequentes, por seu conforto a bordo, seu tamanho e custos operacionais elevados o tornam pouco atraente para a maioria das companhias aéreas. Com poucos pedidos, sendo inclusive retirado de serviço por seus operadores, em 2019 a Airbus anunciou que descontinuaria a produção do A380 até 2021. As últimas unidades do superjumbo terão como destino a All Nippon Airways e Emirates Airline. Todavia, o surto de COVID-19 poderá acelerar a aposentadoria de grande parte da frota global do A380, que poderá ser um dos raros casos de aviões de segunda-mão sem interesse no mercado de usados.

 


Texto/Fonte: Boletim Semanal AERO Magazine - Por Gabriel Benevides